GoioNEWS - O Jornal Eletrônico de Goioerê e Região

Sábado, 16 de Fevereiro de 2019
  • :
  • :
siga-nos

Polícia prende dono de festa com rodízio de mulheres a R$ 300 em Goiás

12/02/2019

                                     Um empresário foi preso na última semana após promover uma festa que teria "rodízio de mulheres" em Águas Lindas de Goiás, na região de Goiânia. O evento, que foi divulgado pela internet, levou o nome de "Open Xeca", mas acabou não sendo realizado devido à operação policial. A entrada custava R$ 300 por pessoa e o limite era de 50 homens no local.

                                    Apontado pela polícia como o organizador do evento, Ítalo Gomes Machado, de 37 anos, vai responder pelo crime de exploração sexual. Ele admitiu que era o responsável pela organização.
                                    A festa estava marcada para começar às 23h. Porém, a Polícia Militar chegou duas horas antes. No local, já estavam o dono da casa de prostituição (que receberia o evento), a mulher dele, cinco seguranças e 12 garotas de programa. No quintal do imóvel, a polícia também encontrou 50 gramas de maconha que estavam enterradas.
                                    O primeiro lote de ingressos da festa já estava esgotado. O panfleto estampava a seguinte mensagem: "Uma noite inesquecível para você se deliciar o quanto conseguir. Vai encarar?". A divulgação chamou a atenção da Polícia Militar, que montou uma operação com 18 policiais, equipes da fiscalização de atividade urbana da prefeitura e a Secretaria Municipal de Trânsito.
                                    "O empresário não resistiu à prisão e foi levado para a Delegacia de Águas Lindas de Goiás. Ele foi enquadrado pelo crime de exploração sexual e confessou que iria fazer o evento", disse o sargento Godoi, que participou da operação.
                                    A casa de prostituição tinha cinco quartos. Uma das mulheres, que foi levada como testemunha para a delegacia, informou que o programa era R$ 130, sendo que R$ 30 do valor ficaria com o proprietário do local. Mas, especificamente nesta festa, as jovens receberiam R$ 300 pela participação.
                                    "Isso tudo tem a tipificação criminal de rufianismo e favorecimento a prostituição. Manter uma casa de prostituição não é crime. Crime é a exploração", explicou o policial.
                                    O caso foi encaminhado para a Delegacia de Mulheres da cidade de Águas Lindas de Goiás, que investiga o crime. (Uol).

 

clique para ampliar [+]

 



Leia Também



Enviar por email

Envie Polícia prende dono de festa com rodízio de mulheres a R$ 300 em Goiás
É proibida a reprodução do conteúdo desta página em qualquer meio de comunicação, eletrônico ou impresso, sem autorização escrita do GoioNews.
Copyright © 2004 - 2020 GoioNews.